O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Inadequações das escalas de pacientes em internação domiciliar: Monitoramento, análise e Intervenção

Inadequações das escalas de pacientes em internação domiciliar: Monitoramento, Análise e Intervenção foi um artigo feito por Carolina Almeida e Thaise Silva, apresentado no SIBRAD 2012, aonde o mesmo chegou a receber menção honrosa pela qualidade de seu conteúdo. O estudo trata no conteúdo sobre  Ã  implantação de novos critérios na elaboração de escalas assistenciais de pacientes em internação domiciliar, baseados na identificação dos motivos pelos quais geraram as solicitações de substituição de técnicos de Enfermagem efetuadas por familiares de pacientes.



Segue o artigo na integra:


INADEQUAÇÕES DAS ESCALAS DE PACIENTES EM INTERNAÇÃO DOMICILIAR: MONITORAMENTO, ANÁLISE E INTERVENÇÃO

Oliveira, CAS; Silva, TRO


INTRODUÇÃO


O relacionamento interpessoal é determinante e potencializa a humanidade de cada Ser. Através deste, os indivíduos compartilham experiências pessoais e são impelidos a evoluírem através da sedimentação dos seus pré-conceitos, assim como, pela aquisição de novos paradigmas. Nos sistemas de saúde, o relacionamento interpessoal, é fundamentalmente representado pelo tripé de agentes: paciente; família; e profissionais de saúde. Nesse cenário, se insere a internação domiciliar  que, por definição, ressalta os conceitos e a importância do relacionamento interpessoal, desde que, com o objetivo de proporcionar conforto e acolhimento ao paciente, a partir de então, um lar será adaptado à prestação de cuidados assistenciais à saúde e  profissionais de saúde serão introduzidos em um complexo ambiente de atuação. Assim, o serviço de atendimento domiciliar promove o encontro de seres distintos, que apresentam uma gama de variações de perfis psicológicos, num momento pontual de intenso desgaste emocional por parte dos pacientes e afins.


Isto exposto, torna-se imperioso ressaltar que, dentre os profissionais envolvidos com a assistência domiciliar, os técnicos de Enfermagem são aqueles que permanecem atuando diametralmente nas residências, em períodos de tempo mais expressivos, e que, portanto, apresentam maior interação com os pacientes e seus familiares. De modo idêntico, destaca-se a importância  de tal vínculo, justificada pela ação do cuidado e que, inevitavelmente, acarreta intervenções que extrapolam os procedimentos meramente técnicos e se estendem à esfera pessoal dos envolvidos. Quando a mesma resulta em uma conotação equivocada e negativa, comumente se dá o afastamento do profissional envolvido e, simultaneamente, ocorre  alterações na formação das escalas assistenciais previamente agenciadas pela instituição de saúde, além de se configurar como mais um fator de desgaste emocional às famílias e seus entes em fase de doença.  Dessa forma, problemáticas da assistência, derivadas de fatores complicadores nas relações de convivência, via de regra, resultam no questionamento da qualidade do serviço prestado, além de demandarem esforços consideráveis por parte dos respectivos colaboradores para a imediata substituição com novos profissionais, igualmente habilitados tecnicamente para o cuidado, mas que também, contemplem o perfil adequado à assistência peculiar e especializada a um determinado indivíduo doente e à sua família.


Atentando para tão frequente e relevante conjuntura para a Instituição, este estudo monitorou a ocorrência da solicitação de substituição de profissionais técnicos de Enfermagem advindas de familiares de pacientes em internação domiciliar, bem como dos próprios técnicos de Enfermagem, de um serviço de saúde do município do Recife durante o ano de 2011, buscando empreender ações que viabilizem a superação de entraves desta natureza, através de um eficaz direcionamento dos funcionários da Instituição, reduzindo gastos com contratações desnecessárias, além de influir positivamente no crescimento da empresa pela internação de novos pacientes, com adesão a esta modalidade de cuidado, motivada pela satisfação de clientes/pacientes e familiares com o serviço qualificado.


APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO/ SERVIÇO


A Interne Soluções em Saúde é uma Instituição privada que atua há quatorze anos no mercado da saúde, promovendo além da internação domiciliar, seu principal produto, serviços de Atendimento Pré-Hospitalar, cuidado especializado a feridas e estomias, assistência a pacientes com doenças crônicas e distúrbios do sono, remoções e cobertura assistencial de eventos. Atende pacientes particulares e/ou associados a convênios de saúde credenciados.


No serviço de internação domiciliar, a Interne, assume quase a totalidade de 200 pacientes, dispondo de equipe multiprofissional, vinte e quatro horas por dia, durante os sete dias da semana. Assim, presta cuidado a pacientes das mais diversas complexidades assistenciais, sejam eles adultos, idosos ou pediátricos. Oferece equipe assistencial de técnicos de Enfermagem de acordo com a necessidade do paciente, sendo as jornadas de assistência divididas entre os períodos de seis, ou doze e até de vinte quatro horas.


CARACTERIZAÇÃO DO TRABALHO/ ATIVIDADE A SER DESCRITA


O estudo se refere à implantação de novos critérios na elaboração de escalas assistenciais de pacientes em internação domiciliar, baseados na identificação dos motivos pelos quais geraram as solicitações de substituição de técnicos de Enfermagem efetuadas por familiares de pacientes, e pelos próprios profissionais, durante o ano de 2011, em uma Instituição de saúde privada do município do Recife, com o objetivo de, minimizar a quantidade de substituições nas escalas assistenciais e, assim, promover o crescimento da instituição através de bons resultados que ocasionarão a identificação e consequente divulgação de conceitos de serviços de saúde de excelência, além de contribuir para a redução de investimentos com a contratação de novos funcionários técnicos de Enfermagem pela utilização efetiva dos colaboradores que já compõe o quadro da empresa.


Na instituição em foco, existe um setor específico para o acionamento dos técnicos de Enfermagem e composição de escalas assistenciais. Este setor é vinculado ao departamento denominado por Educação Permanente, que por sua vez, é o responsável

pelo recrutamento, seleção e capacitação dos colaboradores técnicos de Enfermagem. Assim, esse trabalho poderá proporcionar aos responsáveis pela capacitação e escalação, informações pertinentes quanto aos principais motivos que resultam em problemáticas oriundas da formação da equipe de assistência, promovendo atuações preventivas e pontuais, viabilizando maiores chances de sucesso e adaptação do profissional à assistência.


Os dados a serem apresentados no trabalho, foram obtidos a partir da consulta do Serviço de Atendimento ao Cliente, constante no sistema informatizado de gestão de saúde utilizado pela Instituição - MV2000. Nele são registradas todas as ocorrências, pendências, informações, atualizações e não-conformidades relacionadas à assistência, inclusive as solicitações de substituição de profissionais técnicos de Enfermagem, efetuados tanto pela família de pacientes em internação domiciliar, como pelos funcionários técnicos de Enfermagem. A partir da análise desses registros, durante o período citado, foram identificados os seguintes dados de produção: 588 solicitações de substituição de técnicos de Enfermagem, sendo 280 ocorrências originárias de familiares, e 308 efetuadas pelos técnicos.



Infere-se, a partir do gráfico acima, que a maioria das solicitações de substituição de profissionais não fora justificada. Esse dado pode estar relacionado tanto ao fato do receio dos familiares em prejudicarem o profissional, ao revelarem o real motivo para fazê-lo, assim como pela inexistência de um dispositivo formal por parte da empresa de que os mesmos o façam quando não satisfeitos com o técnico de Enfermagem. Entretanto, dentre os motivos referendados, o comportamento inadequado desses profissionais nas residências, se revelou sintomático, atingindo o percentual de 25%. Assim,  fica evidente a necessidade de priorizar a capacitação de tais colaboradores a partir de um foco holístico que contemple o conceito e a relevância da  ética profissional, que será uma valiosa ferramenta no fomento a novas perspectivas quanto à postura adequada ao cuidado, em detrimento das práticas cartesianas de ensino que se restringe a um conteúdo estritamente técnico e operacional.




Para os técnicos de enfermagem, os fatores citados como motivadores da solicitação de mudança de escalas assistenciais estiveram relacionados, principalmente, à localização da residência do paciente a ser assistido (n=29%) e da insatisfatória relação desenvolvida com os familiares de pacientes. O primeiro ítem se relacionou com a distância entre a moradia do cliente/paciente e a residência do técnico, ocasionando frequentes atrasos no início da prestação de cuidados. Este fator (atraso), também fora citado por familiares como um motivo de solicitação da substituição de profissionais. Este dado deve gerar sensibilização no trabalho a ser desenvolvido pelas lideranças do acionamento e formação de escalas, que deverá incluir a variante proximidade do local de assistência, no momento da escolha do profissional. Como ressaltado na análise do gráfico anterior, o aprimoramento da postura profissional se torna imprescindível, na medida em que, também os técnicos de Enfermagem admitem não estabelecerem um bom relacionamento com os familiares. Fora relatado, também que, muitas dessas ocorrências estiveram  vinculadas a momentos de agressão verbal por parte dos familiares. Os profissionais de saúde necessitam estar capacitados a sobrepor aos momentos de descontrole emocional e de não-aceitação do quadro de doença  vivenciado pelos familiares. É uma primordial competência da equipe de assistência, proporcionar tranquilidade e segurança em meio à condição da doença e ao restabelecimento da saúde. Para tanto, se faz premente, envidar esforços no sentido de promover o desenvolvimento biopsicosocial dos técnicos de Enfermagem, para que os mesmos adquiram a segurança necessária para atuar em momentos de extremo estresse derivados da situação vivenciada. Cabe ressaltar, portanto, a importância de uma atuação conjunta, que mobilize toda a equipe assistencial e multiprofissional e que resulte numa efetiva mudança pela conquista de um ambiente propício para o tratamento.

 Destaca-se ainda que, a maioria das escalas envolvidas com a substituição de técnicos pela solicitação da família ou pelo profissional, ocorreu, em sua maioria, com pacientes categorizados como de baixa complexidade clínica, sendo que, a maioria dos pacientes internados na Instituição estudada são classificados como de média complexidade assistencial. Dessa forma, faz-se a inferência de que a reação dos familiares diante a doença de entes queridos, independe da apresentação de uma quadro grave de saúde ou não.

 Nos períodos relativos às datas festivas há uma ocorrência significativa de redução das solicitações de substituições advindas dos profissionais, revelando preocupação em manter-se assegurado em escalas fixas durante esses períodos. Tal constatação não possui procedência quando comparado ao quantitativo de solicitações de substituição efetuadas por familiares. Estes apresentaram maior desgaste durante o último trimestre do ano.

 POPULAÇÃO ALVO

 A população alvo do estudo são os técnicos de Enfermagem, pacientes em internação domiciliar e os seus familiares.

  IMPACTO DA ATIVIDADE/ SERVIÇO JUNTO À POPULAÇÃO ALVO

 Redução das ocorrências de substituição de profissionais técnicos de Enfermagem das escalas de pacientes em internação domiciliar, estimulando um vínculo satisfatório entre os pacientes, familiares e técnicos de Enfermagem, permeado de profissionalismo e uma postura ética adequada, a partir de uma minuciosa e anterior preparação crítica, analítica e, caso necessário, com a intervenção de profissionais outros, visando uma maior apropriação de indicadores, clínicos e psicossociais do indivíduo a ser cuidado e/ou acionado.

 Uma atuação positiva junto aos familiares e pacientes assistidos pela Instituição analisada, através do serviço do cuidado humano, personalizado e de qualidade, se relaciona diretamente na identificação com o serviço de saúde, promovendo a valorização da empresa e dos colaboradores envolvidos, o que, por sua vez, estimula a novas práticas de intervenção e melhoria de processos de saúde aplicados. Quanto mais intervenções e busca por melhorias, mais eficientes serão as mudanças adotadas e mais efetivo será o aprimoramento da assistência domiciliar desenvolvida.

 CONSIDERAÇÕES FINAIS

 A promoção da qualidade no atendimento à saúde é um processo contínuo e que envolve múltiplas diretrizes. Imprescindível se torna o empenho em focar com relevância, a promoção de condutas éticas na intenção precípua de se obter relações humanas mais respeitosas e acolhedoras. O cuidado denota interesse. Assim, se insere a lógica da relação terapêutica profissional de saúde, pacientes e seus familiares, bem como a caracterização do serviço de saúde.

 Nesse estudo é revelado, com precisão, a necessidade de se priorizar projetos direcionados à promoção de atitudes éticas junto ao profissional técnico de Enfermagem para o alcance do sucesso da assistência domiciliar desenvolvida por eles. A conquista da redução de inadequações das escalas proporciona o eficiente aproveitamento dos colaboradores de um serviço, acarretando na redução do investimento com novas contratações, decorrentes da má formação de escalas assistenciais. O crescimento da Instituição se torna decorrente de práticas de saúde de qualidade e pela busca do atendimento de excelência.


REFERÊNCIAS

RIBEIRO, Maria Inês Lemos Coelho; PEDRAO, Luiz Jorge. Relacionamento interpessoal no nível médio de enfermagem. Rev. bras. enferm.,  Brasília,  v. 58,  n. 3, June  2005 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672005000300011&lng=en&nrm=iso>. access on  28  Feb.  2012.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672005000300011.

DAVIM, Rejane Marie Barbosa; TORRES, Gilson de Vasconcelos e  SANTOS, Sérgio Ribeiro dos. Educação continuada em enfermagem: conhecimentos, atividades e barreiras encontradas em uma maternidade escola. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 1999, vol.7, n.5, pp. 43-50. ISSN 0104-1169. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=

S010411691999000500006&script =sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 20/09/11

 RICALDONI, Carlos Alberto Caciquinho  and  SENA, Roseni Rosangêla de. Educação permanente: uma ferramenta para pensar e agir no trabalho de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]. 2006, vol.14, n.6, pp. 837-842. ISSN 0104-1169. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104 11692006000600002&script=sci_abstract&tlng=

PT. Acesso em: 28/09/11>. access on  06  Nov.  2011.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000300005.

 SILVA, Gizelda Monteiro da; SEIFFERT, Otília Maria L. B.. Educação continuada em enfermagem: uma proposta metodológica. Rev. bras. enferm.,  Brasília,  v. 62,  n. 3, June  2009.   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=

S003471672009000300005&lng=en&nrm=iso>. accesson  06  Nov.  2011.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672009000300005.