O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Apneia do sono ajuda a propagar tumores e aumenta o risco de morte por cancro


Dois estudos apresentados esta semana no encontro anual da Sociedade Europeia Respiratória, em Viena, Áustria, apontaram para as graves consequências da apneia do sono grave — distúrbio no qual a respiração de um indivíduo é bloqueada durante o sono — sobre o cancro.

Segundo as pesquisas, o distúrbio respiratório não só pode fazer com que a doença se propague mais rapidamente, mas também eleva o risco de morte por todos os tipos de cancro, avança a revista VEJA.

Num dos trabalhos, cientistas da Universidade de Barcelona, em Espanha, induziram ratos de laboratório a desenvolver melanoma, o tipo mais agressivo de cancro da pele. Então, observaram que a disseminação dos tumores (metástase) foi mais grave e frequente entre animais que tiveram a respiração interrompida em determinados períodos do sono — o que imita o sono de uma pessoa que sofre de apneia — em comparação com ratos que respiraram normalmente enquanto dormiam.

Mortalidade

A segunda pesquisa apresentada no encontro revelou que pessoas que sofrem de apneia do sono e que passam pelo menos 14% do tempo em que dormem com baixos níveis de oxigénio, provocados justamente quando a respiração é interrompida, chegam a apresentar o dobro de risco de morrerem por cancro do que indivíduos que não sofrem do distúrbio. Ainda de acordo com os resultados, a associação foi maior entre homens e pacientes mais jovens.

Esse estudo foi feito no Hospital Universitário La Fe, na cidade de Valência, em Espanha, e baseou-se nos dados de 5.600 pacientes que passaram por exames em clínicas especializadas em sono. Segundo o coordenador da pesquisa, Miguel Angel Martinez-Garcia, embora essa relação encontrada seja significativa, "“"isso não quer dizer que a apneia do sono provoque directamente o cancro”.

Fonte: http://www.rcmpharma.com/actualidade/saude/06-09-12/apneia-do-sono-ajuda-propagar-tumores-e-aumenta-o-risco-de-morte-por-canc