O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Estudo encontra relação entre insônia e maior risco de insuficiência cardíaca

Insônia: Problema aumenta a prevalência de insuficiência cardíaca, diz estudo (Getty Images)

Pesquisa avaliou mais de 50.000 pessoas e chegou à conclusão de que a falta de sono pode mais do que triplicar o risco do problema cardíaco

Pesquisadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia encontraram uma relação entre sintomas relacionados à insônia, como dificuldades para dormir e manter o sono, e uma maior prevalência de insuficiência cardíaca. Os resultados mostraram que ter insônia pode triplicar o risco de uma pessoa sofrer desse problema cardíaco — e que o quadro pode ser ainda pior caso o indivíduo também apresente ansiedade ou depressão.

Saiba mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA
Pode acontecer em decorrência de qualquer doença que afete diretamente o coração. Acontece quando o coração bombeia o sangue de maneira ineficaz, não conseguindo satisfazer a necessidade do organismo, reduzindo o fluxo sanguíneo do corpo ou a uma congestão de sangue nas veias e nos pulmões. A insuficiência faz com que os músculos dos braços e das pernas se cansem mais rapidamente, os rins trabalhem menos e a pressão arterial fique baixa. A função do coração é bombear o sangue para o corpo e, depois, tirar o sangue das veias. Quando o coração bombeia menos sangue do que o normal, há uma fração de ejeção reduzida. Quando o coração enfrenta dificuldades em receber o sangue novamente, trata-se de uma fração de ejeção preservada, ou insuficiência cardíaca com dificuldade de enchimento do coração. Embora possa acometer pessoas de todas as idades, é mais comum em idosos. Atinge uma média de uma a cada 100 pessoas.

A pesquisa, publicada nesta terça-feira no periódico European Heart Journal, porém, não encontrou uma explicação para tal relação e nem concluiu se, de fato, trata-se de uma associação causal. Ou seja, esses resultados ainda não são suficientes para afirmar que a insônia causa diretamente insuficiência cardíaca, mas sim mostram que a doença cardíaca foi mais prevalente entre quem apresentava sintomas de insônia do que entre pessoas sem o problema.

Participaram do estudo 54.279 pessoas de 20 a 89 anos de idade. Elas começaram a ser avaliadas entre 1995 e 1997 e, no início da pesquisa, nenhuma delas apresentava insuficiência cardíaca. Os autores acompanharam os participantes até 2008. Ao longo do período do estudo, os pesquisadores observaram se os indivíduos apresentavam três sintomas da insônia: dificuldade para dormir, dificuldade para manter o sono e não ter a sensação de estar descansado após uma noite de sono. Para isso, os participantes respondiam a questionários dizendo se sofriam desses problemas e, se sim, com que frequência. De 1995 a 2008, o estudo registrou 1.412 casos de insuficiência cardíaca.

Soma de sinais — De acordo com a pesquisa, os participantes que relatavam sofrer dos três sintomas simultaneamente e com mais frequência foram aqueles que apresentaram o maior risco de insuficiência cardíaca — uma chance 3,5 maior em comparação com indivíduos que não apresentavam nenhum sinal de insônia. Essas pessoas tinham dificuldades para dormir e manter o sono quase todas as noites, e acordavam sem a sensação de ter descansado mais de uma vez na semana.

Esses resultados foram obtidos após os autores do estudo levarem em consideração uma série de fatores que podem interferir tanto na insônia quanto no risco de insuficiência cardíaca, como idade, sexo, nível de escolaridade, carga horária de trabalho, pressão arterial, níveis de colesterol no sangue, diabetes, peso, atividade física, tabagismo, álcool, depressão, ansiedade e ataque cardíaco. Quando os pesquisadores resolveram olhar para as pessoas que, além de insônia frequente, também apresentavam depressão e ansiedade, o risco de insuficiência cardíaca foi 4,2 maior em relação às pessoas que não tinham dificuldades para dormir.


Os prejuízos de dormir pouco

1 de 7

Diminui a capacidade de o corpo queimar calorias


De acordo com uma pesquisa apresentada no encontro anual da Sociedade para Estudo de Comportamento Digestivo (SSIB, sigla em inglês), em julho de 2012, na Suíça, a restrição do sono faz com que um indivíduo consuma mais calorias e, além disso, reduz a capacidade do corpo de queimá-las. Isso ocorre porque dormir pouco aumenta os níveis de grelina, o ‘hormônio da fome’, conhecido assim por induzir a vontade de comer, na corrente sanguínea. Além disso, o hábito promove um maior cansaço, reduzindo a prática de atividades físicas e aumentando o tempo de sedentarismo.

Segundo os autores do trabalho, ainda não é possível dizer que a insônia foi a responsável por desencadear insuficiência cardíaca nos participantes, mas, se for, "“"a insônia é uma condição potencialmente tratável. Assim, a avaliação de distúrbios do sono pode promover mais informações capazes de serem usadas na prevenção de insuficiência cardíaca”, escreveram os autores no estudo. "Ainda não está claro por que a insônia é associada a um maior risco de insuficiência cardíaca. Temos algumas indicações de que pode haver uma causa biológica, e uma possível explicação poderia ser que a insônia ativa respostas ao estresse no corpo que podem afetar negativamente a função cardíaca.”

Hipóteses — "A relação de insônia com doenças cardiovasculares nunca recebeu a devida atenção, embora saibamos que pacientes com doenças crônicas apresentam uma tendência maior a problemas do sono. É difícil separar uma coisa da outra", afirmou Edimar Bocchi, cardiologista e chefe de Insuficiência Cardíaca do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da USP (Incor).

Para ele, o estudo é importante, mas também é limitado pois não responde se a insônia é um fator causador ou marcador da insuficiência cardíaca. Ou seja, se dormir mal causa a condição ou se a insônia indica a predisposição de uma pessoa a problemas cardíacos que podem levar à insuficiência. "Pode ser que a insônia seja como a febre. A febre não é a causadora de uma infecção, mas sim um marcador de que esse processo está acontecendo", disse Bocchi ao site de VEJA.


Especialista responde

Dalva Poyares
Neurologista do Instituto do Sono e professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)


"“"O paciente com insônia não deve se apavorar com esse estudo, pois ele não mostra que a insônia causa diretamente a insuficiência cardíaca. Sabemos que a apneia do sono, sim, é um fator de risco ao coração, assim como dormir pouco e viver sob muito stress, por exemplo. E essas condições podem acompanhar a insônia.

Portanto, se a insônia está relacionada a uma maior prevalência de insuficiência cardíaca, ela não é um fator de risco isolado. Uma pessoa com insônia tende a dormir pouco, e sabemos que, a longo prazo, poucas horas de sono pode ser um fator de risco para doenças cardíacas. E, além disso, doenças cardíacas podem acabar levando a uma falência do coração. Pode ser também que um indivíduo com insônia seja mais suscetível ao stress, e o stress pode causar tanto problemas de sono quanto cardíacos. Mesmo assim, a insônia nunca será mais perigosa ao coração do que tabagismo, colesterol alto, pressão arterial elevada e apneia do sono.

É preciso lembrar que uma pessoa doente ou predisposta a alguma doença tende a dormir mal. Então, em um caso como esse, é possível que o indivíduo com insônia já apresente algum problema cardíaco e devido a ele, e não à insônia, ele desenvolva insuficiência cardíaca.

A insuficiência cardíaca não aparece do nada e o estudo considerou pessoas com sintomas de insônia apenas no mês anterior ao estudo. A pesquisa é bem feita, mas o ideal seria que um estudo acompanhasse pessoas com insônia ao longo de vários anos. Hoje em dia, consideramos que um paciente tem insônia crônica quando ele apresenta sintomas do problema há pelo menos seis meses.”

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/estudo-encontra-relacao-entre-insonia-e-maior-risco-de-insuficiencia-cardiaca