O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Sono da mulher

De acordo com os especialistas, as mulheres sofrem mais com os distúrbios do sono do que homens. O ciclo menstrual, a gravidez e a menopausa podem afetar a qualidade do sono devido à alteração dos níveis dos hormônios que o corpo experimenta.

Nessas diversas fases da vida da mulher, em que seu organismo sofre modificações físicas e emocionais, as variações do estrógeno e o progesterona exercem forte influência sobre uma boa ou má noite.

Sono e o ciclo menstrual 

Em pesquisa publicada pela Nacional Sleep Foudation (NSF), nos EUA, 50% das mulheres entrevistadas afirmaram que durante o período menstrual há queda na qualidade do sono por dois ou três dias. Estas mudanças podem ser ligadas à elevação ou à queda de níveis dos hormônios no corpo em cada fase do ciclo menstrual, antes, durante e depois da ovulação.


A conhecida TPM ( tensão pré-menstrual) acomete grande parte das mulheres e tem como principais sintomas  a irritabilidade, o mau-humor, a instabilidade emocional, a fadiga  e as dores de cabeça. Geralmente as mulheres que sofrem de TPM, no período mesntrual dormem mal, às vezes padecendo dos transtornos insônia e sonolência excessiva durante o dia.

Sono das gestantes


Durante a gravidez, a mulher tem uma sobrecarga de exigências e inúmeras modificações, tanto físicas quanto emocionais. Os sintomas físicos se manifestam em forma de dores no corpo, náusea, azia, inchaços dos pés, câimbras, aumento de peso e pelo movimento do feto. As alterações emocionais aparecem sob a forma de depressão, ansiedade e preocupação. Todas essas mudanças podem interferir na qualidade do sono da gestante. Na pesquisa da NSF, 78% das mulheres entrevistadas relataram ter o sono mais perturbado durante a gravidez do que em outras épocas. O estudo constatou que as mudanças no sono ocorrem em 13 a 20% das mulheres no primeiro trimestre e aumentam em 66 a 90% durante o terceiro trimestre da gravidez.

Nos três primeiros meses da gravidez há uma piora na qualidade do sono, porque os níveis do progesterona são elevados, provocando sonolência. Aliado a isso, há o crescimento do útero, que pode pressionar o diafragma, tornando o ato de respirar difícil, fazendo com que a mulher desperte algumas vezes. Outro fato que também contribui para a sonolência diurna é o aumento da vontade de urinar, que obriga a gestante acordar várias vezes para ir ao banheiro.

Durante o segundo trimestre (4 a 6 meses),  há uma redução na pressão sobre a bexiga, pois o feto  apesar de estar maior, passa a se mover acima dela, o que diminui a necessidade de ir ao banheiro. Algumas mulheres tornam-se mais agitadas nesse período, devido à dificuldade de encontrar uma posição confortável com o crescimento do abdômen.

 Nos últimos três meses da gravidez os problemas para dormir podem aumentar, devido aos incômodos físicos, às câimbras e à necessidade de ir ao banheiro mais vezes (o feto volta a pressionar a bexiga). Apesar de apresentar estas dificuldades, as grávidas geralmente passam a ter mais sono e a cochilar freqüentemente.

 Com o nascimento do bebê a maioria desses problemas desaparece. Entretanto, uma nova situação passa a ser vivenciada com a adaptação a um novo ritmo de sono, pois o recém-nascido precisa ser amamentado durante a noite e muitas vezes troca o sono noturno pelo diurno. Até a situação normalizar, com o bebê estabelecendo uma rotina para dormir, a mulher enfrenta privação do sono, o que pode contribuir para a depressão pós-parto.

 Dicas para melhorar a qualidade do sono na gestação

  • No terceiro trimestre procurar dormir do lado esquerdo, para permitir maior fluxo de sangue ao feto, ao útero e aos rins. Evitar deitar-se de barriga para cima por muito tempo.
  • Beber bastante líquido durante o dia, mas reduzi-los perto do horário de ir para cama.
  • Para controlar a azia, evitar comer alimentos ácidos, condimentados e frituras. Se o incômodo atrapalhar o sono, para aliviar procurar dormir com a cabeça mais elevada.
  • Exercitar regularmente para melhorar a circulação.
  • A náusea pode ser controlada com a gestante fazendo pequenos lanches (frutas e biscoitos) durante o dia, procurando manter o estômago sempre cheio. Antes de ir para a cama, um banho morno e técnicas de respiração e relaxamento ajudam a ter um sono mais tranqüilo.
  • Se os problemas para dormir persistirem, principalmente a insônia, buscar ajuda médica.
  • No pós-parto a mãe deve aproveitar as sonecas do bebê, para também tirar um cochilo e se recuperar da noite mal-dormida. Procurar dividir com outra pessoa os cuidados com o recém-nascido, principalmente à noite. Isto é importante para a segurança, o desempenho e a saúde física e mental da mãe.

Sono na menopausa

 A menopausa é um período de transição física e psicológica. Os sintomas variam de mulher para mulher,em consequência da queda da produção do estrógeno e da progesterona pelos ovários. 


Da pré-menopausa ao seu final, quando cessa o fluxo menstrual, os problemas para dormir podem aparecer ou, se já existirem, agravarem-se. Geralmente os principais transtornos nessa fase são a insônia e a apnéia obstrutiva, devido aos fogachos (ondas de calores em todo o corpo acompanhado de suor), aos problemas para respirar, à depressão e à ansiedade sentidos em maior ou menor quantidade pelas mulheres.

Dicas para melhorar o sono durante a menopausa

  • Manter uma alimentação saudável e evitar refeições pesadas antes de ir para cama.
  • Evitar cigarro, cafeína e o álcool, especialmente antes de dormir.
  • Usar roupas leves e evitar cobertores pesados. Se a temperatura estiver muito alta, refrescar o ambiente abrindo as janelas, usando ventilador ou ar condicionado.
  • Reduzir o estresse praticando exercícios de relaxamento e técnicas de respiração.
  • Buscar orientação com seu médico sobre as diferentes formas de reposição hormonal existentes.

Fonte: http://www.fundasono.org.br/