O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Fonoaudiologia e qualidade do seu sono. Saiba mais…


Se há um tema que está deixando a comunidade científica bem acordada, é a discussão sobre a qualidade do sono.

Embora a falta de repouso possa passar despercebida para as pessoas, ela trabalha como um inimigo oculto, que traz consequências bastante perceptíveis. Estudos recentes comprovam que é necessário um descanso mínimo de 7 horas diárias para não comprometer a qualidade de vida. Um bom sono melhora as funções cognitivas, a memória, a atenção, o raciocínio e também o equilíbrio emocional.

Um estudo epidemiológico realizado em 2011 pelo Instituto do Sono da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), que envolveu uma amostra representativa de 1042 voluntários da cidade de São Paulo, entre 20 e 80 anos de idade, apontou que 1/3 (32,9%) dessa população sofre com a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS), sendo esta uma das doenças mais frequentes dos distúrbios respiratórios do sono. Como consequência de tal distúrbio, ocorrem perda ou má qualidade do descanso, o que pode ocasionar acidentes de trabalho, de trânsito, além do aparecimento de prejuízos graves à saúde, como hipertensão arterial sistêmica, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca congestiva, arritmias e doenças cerebrovasculares.

A Medicina do Sono no Brasil é uma especialidade nova. Mais recentemente, os estudos envolvendo a fonoaudiologia na Medicina do Sono vêm aperfeiçoando as possibilidades terapêuticas. Isso abre um novo campo de trabalho para o profissional e uma área de atuação muito promissora para os especialistas. Cresce também o número de publicações sobre o tratamento fonoaudiológico em pacientes com ronco primário e com SAOS, embora a metodologia ainda seja discutível pela falta de trabalhos com polissonografia de noite inteira e registro do ronco.

Cabe ressaltar que, com o grande aumento das publicações sobre o assunto e a evolução dos estudos, os médicos esperam que os fonoaudiólogos tenham conhecimento aprofundado sobre os distúrbios respiratórios do sono para que, assim, possam contribuir e acompanhar a melhor conduta dirigida ao paciente, seja com CPAP (Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas), cirurgias, aparelhos intra-orais ou o uso da reabilitação. O tratamento baseado em terapia fonoaudiológica é simples, seguro, não invasivo, de fácil execução, sem efeitos colaterais e de baixo custo. Por isso, ele é considerado atualmente uma boa alternativa para tratar o ronco, com ou sem a SAOS, ou como tratamento coadjuvante ao uso do CPAP.

Na era da informação, de transformações rápidas e avanços meteóricos da tecnologia, o ser humano está tão preocupado em ficar acordado e participar de todos os acontecimentos e mudanças, que se esquece de investir em seu descanso, o que pode afetar diretamente a execução de tarefas simples. O sono é um dos elementos centrais para uma vida saudável. A saúde física e emocional depende diretamente de suprir esta necessidade básica. Sem um sono adequado, a capacidade de concentração, de julgamento, de clareza na fala e nas ideias, de participação em atividades da vida diária diminui e a irritabilidade aumenta. Além disso, a perda ou o prejuízo do sono afetam as relações familiares e sociais, a produtividade no trabalho e a competência comunicativa.

A importância do sono e os prejuízos advindos de seus distúrbios não podem ser minimizados. Acreditamos que a fonoaudiologia pode oferecer uma grande contribuição a nessa área de investigação e atuação multidisciplinar.

 

Fonte:http://www.cfligiamotta.com.br/fonoaudiologia-e-qualidade-do-seu-sono-saiba-mais/