O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Otimização de tratamentos


25.08.2011

O Happy Hour de agosto superou todas as expectativas. "“"A importância dos protocolos no atendimento domiciliar” foi o tema do encontro. Como se trabalha em torno de processos técnicos na área de saúde, as dificuldades de quem não tem um processo definido foram alguns dos tópicos abordados ao longo da conversa.

O primeiro a falar foi Rafael Arruda, da Farmácia. Ele falou um pouco do ponto de vista de quem está começando a implantar um protocolo. Durante sua explanação, ele primeiramente discutiu a história da Farmácia, de como ele iniciou na área e ainda sobre sua formação acadêmica. "“"Minha formação é de farmacêutico hospitalar”, acrescentou Rafael. Além disso, ele também atua na CCID.

Os farmacêuticos atuam em hospitais, indústrias, no próprio Home Care e em outros locais. O profissional farmacêutico é um prestador de serviços e um eterno estudante. O uso racional de medicamentos foi o ponto mais frisado por Rafael. Na Interne a farmácia é dividida em: área de dispensação, Centro de Informação sobre Medicamentos (CIM) e área administrativa.

Segundo pesquisas da OMS, cerca de 75% dos antibióticos são prescritos inapropriadamente. "“"Isso é uma coisa extremamente preocupante”, completou a Diretora Executiva da Interne Soluções em Saúde Paula Meira. Não podemos esquecer que o uso adequado de medicamentos resulta numa maior qualidade dos tratamentos de saúde, além de proporcionar uma diminuição dos custos.

Os protocolos foram implantados na Interne há pouco tempo e os resultados já são animadores. Alguns procedimentos foram adotados, para que essa inovação desse certo. "“"30 dias após a mudança do medicamento é feita uma avaliação para saber se a troca foi positiva ou negativa”, afirma o farmacêutico da Interne. É preciso uma avaliação do quadro de cada paciente para entender suas limitações. "“"Qualquer intervenção farmacêutica tem que ver o lado do paciente”, acrescenta Rafael Arruda. "“"É a dose certa, na hora certa”, afirmou (ou completou?) a Diretora Executiva da Interne.

Régis Ferraz foi o segundo palestrante da noite. Ele relatou sua experiência com um protocolo já consolidado. Assim como Rafael, ele iniciou sua apresentação mostrando seu histórico e sua relação com a aplicação de protocolos. "“"Já faz 10 anos que eu tive a oportunidade de elaborar um protocolo”, acrescentou o fisioterapeuta.

Duas escalas lhe servem de inspiração: a Lysholm e a de IKD. Segundo Régis, os protocolos servem para padronizar os tratamentos e assim conseguir resultados expressivos nos procedimentos. Para o fisioterapeuta "“"Um bom tratamento parte de uma boa avaliação. Baseado nas duas classificações, ele criou a "“"Escala de Régis”. Ela consiste em: uma avaliação objetiva, prática e funcional; determinação da frequência semanal; quantificação da evolução; avaliação da conduta adotada. Tudo isso tem um objetivo principal, que é o desmame dos tratamentos. "“"São ações inovadoras”, acrescentou Paula Meira.

Ao longo de sua apresentação, Régis conquistou os presentes. Seu trabalho foi elogiado por todos e o fisioterapeuta foi incentivado pela platéia a publicar sua "“"Escala de Régis” e investir no seu projeto. "“"O primeiro passo é apresentar para o conselho. Isso tem que ser feito rapidamente, antes que alguém copie sua ideia”, afirmou a gerente do CuraBem a Enfermeira Dulce Janaína.

Para concluir o encontro, o Dr. Jurandir Brainer falou suas conclusões do evento. "“"Quando há processos, há melhores resultados”, afirmou. "“"O erro é uma soma de erros, uma falha do processo”, acrescentou Dr. Jurandir. O próximo encontro será no dia três de setembro e o tema será "“"Gerenciamento de risco e segurança do paciente”. O controle da explanação será do Dr. Jurandir Brainer.


Galeria de imagens