O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Alimentos fermentados podem ser novos aliados da saúde, diz estudo


Os especialistas recomendam uma variedade de alimentos fermentados, como azeitonas, queijos e carnes curados, como aliados na luta contra alergias e até mesmo na perda de peso

Chucrute, queijo azul e picles dificilmente soam como um bom caminho para o bem-estar, mas os alimentos fermentados podem ser a mais nova mania quando de trata de saúde. As informações são do site do jornal britânico Daily Mail. Pesquisadores da Cambridge University afirmam que o consumo regular de alimentos fermentados de baixa caloria, como iogurte, queijo fresco e cottage, pode reduzir o risco de se desenvolver diabetes tipo 2 em até 25% ao longo de 11 anos.

Quando certos alimentos são deixados para a fermentação, eles são “pré-digeridos” pelas bactérias boas e leveduras encontradas naturalmente na superfície do alimento. Estes micróbios "comem" a comida antes de você, quebrando os açúcares e amidos e tornando a absorção dos nutrientes mais fácil. Alguns ainda lançam ácido láctico, um conservante natural, que torna ácido o ambiente intestinal, estimulando o crescimento de bactérias boas. A comida fermentada efetivamente se torna um suplemento probiótico natural.

O papel das bactérias na saúde tem atraído muita atenção nos últimos anos. Especialistas estão satisfeitos com o interesse em "comida viva", como os alimentos fermentados também são conhecidos. “Entre 70 e 80% das nossas células imunes estão no intestino”, afirma Alison Clark, da British Dietetic Association. “Os alimentos fermentados estimulam a bactéria e auxiliam na imunidade”, completa.

Ele ressalta ainda que as pessoas que sofrem de tosse e resfriados poderiam ser beneficiadas por este tipo de alimento. “Também sabemos que alimentos ricos em probióticos podem ajudar a controlar os sintomas de problemas como a síndrome do intestino irritável, do inchaço e da flatulência”. Os especialistas recomendam uma variedade de alimentos fermentados, como azeitonas, queijos e carnes curados, como aliados na luta contra alergias e até mesmo a perda de peso, já que ajudam a digestão e fazem com que a pessoa se sinta mais saciada.

Aqueles que parecem fazer uma diferença real são os itens ricos em lactobacilos, que liberam ácido láctico durante a fermentação. Vegetais são fontes ricas desta bactéria – daí o interesse repentino em chucrutes e picles. E as pesquisas sobre os benefícios de uma dieta fermentada não param por aí. Um estudo realizado por imunologistas da Universidade espanhola de Granada - publicado em 2006 no Journal of Dairy Research - observou pessoas que comiam pelo menos cinco porções de iogurte e queijo e três outros alimentos fermentados, tais como carnes e azeitonas curadas, a cada semana.

Quando eles foram privados destes itens durante duas semanas, os níveis de bactérias boas no intestino caiu, assim como os indicadores de um sistema imunológico saudável. Depois de duas semanas, eles começaram a comer iogurte de novo, no entanto, a imunidade não retornou aos níveis originais até que eles voltassem a ingerir uma grande variedade de alimentos fermentados.

Mas nem todo mundo está convencido com este tipo de alimento. Peter Whorwell, gastroenterologista no Wythenshawe Hospital, em Machefster, disse que não existem provas suficientes. “Como sabemos que estes alimentos nos dão bactéria suficiente? Como sabemos quais tipos de bactérias eles carregam?”, questiona. Além disso, um trecho preocupante da pesquisa sugere que alimentos fermentados - especificamente os picles - poderiam ser prejudiciais. Em 2011 a Organização Mundial de Saúde classificou os legumes em conserva como "possivelmente cancerígenos".

Vale ressaltar que esta ligação só foi encontrada com picles feitos da maneira tradicional - fermentado em sua própria salmoura. Pepinos de supermercados ou servidos no hambúrguer provavelmente são feitos com vinagre, que mata todas as bactérias.


Fonte:http://saude.terra.com.br/nutricao/alimentos-fermentados-podem-ser-novos-aliados-da-saude-diz-estudo,0216f52ccc124410VgnVCM4000009bcceb0aRCRD.html