O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Excesso de pesadelos na infância pode indicar tendência a psicoses, diz pesquisa


O estudo revelou que a maioria das crianças tinha pesadelos em algum ponto da infância. No entanto, 37% delas apresentavam ‘sonhos aflitivos’ com frequência acima da média


O excesso de pesadelos na infância pode ser um sinal precoce do surgimento de transtornos psicóticos na vida adulta, sugere uma pesquisa britânica.

O estudo foi publicado na revista científica Sleep e analisou dados de 6,8 mil crianças do Reino Unido até os 12 anos de idade.

Conduzida a pedido da ONG YoungMinds, a pesquisa também mostrou que pesadelos acompanhados de gritos e movimentos involuntários durante a noite também poderiam elevar o risco do aparecimento de doenças mentais.

Como parte da pesquisa, os pais tiveram de responder a perguntas sobre problemas de sono de seus filhos.

Ao fim do levantamento, as crianças foram avaliadas quanto à frequência de experiências psicóticas, como alucinações e delírios.

Estudo

O estudo revelou que a maioria das crianças tinha pesadelos em algum ponto da infância. No entanto, 37% delas apresentavam ‘sonhos aflitivos’ com frequência acima da média.

Uma em cada dez crianças tinha pesadelos, geralmente entre três e sete anos de idade.

A equipe de cientistas da Universidade de Warwick, na Inglaterra, concluiu que o excesso de pesadelos estaria ligado a um maior risco de aparecimento de problemas de saúde.

Cerca de 47 em cada 1 mil crianças sofriam alguma forma de experiência psicótica.

No entanto, aqueles que apresentavam sonhos aflitivos aos 12 anos tinham 3,5 vezes mais chances de desenvolver psicoses.

O risco dobrava se a criança sofresse um distúrbio do sono conhecido como "pânico noturno", uma espécie de pesadelopotencializado, caracterizado por gritos durante a noite.

Um dos pesquisadores, Dieter Wolke, afirmou à BBC que os "pesadelos são relativamente comuns, assim como os "pânicos noturnos", mas a frequência com que isso acontece pode indicar um problema mais sério".

A relação entre os distúrbios do sono e as psicoses ainda não está clara.

Outra hipótese diz respeito às ligações dos cérebros das crianças, uma vez que as fronteiras entre o que é real e fantasioso são menos claras.

Segundo Wolke, uma rotina regular na hora de ir para a cama e a qualidade do sono são elementos chave para reduzir o número de pesadelos.

"A qualidade do sono é muito importante. As crianças têm de ir para cama com maior regularidade, evitar filmes que estimulem a ansiedade antes de dormir e não usar o computador durante a noite".

Já os "pânicos noturnos" podem ser solucionados acordando brevemente as crianças durante a noite.

Para Lucie Russell, diretora de campanhas da YoungMinds, “o estudo é importante porque tudo o que pudermos fazer para possibilitar uma identificação precoce de sinais de doenças mentais é vital para ajudar milhares de crianças".

"Quando mais cedo o problema foi avaliado, maior é a chance de a criança se livrar da psicose na idade adulta", concluiu ela.

Fonte: http://saude.ig.com.br/minhasaude/2014-03-03/excesso-de-pesadelos-na-infancia-pode-indicar-tendencia-a-psicoses-diz-pesquisa.html