O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Universidades estudam distúrbio de enviar mensagens dormindo


Responder email e mensagem dormindo, são atitudes comuns de quem sofre do mais novo distúrbio do sono: o “Sleep Texting”, um tipo de sonambulismo digital.

Uma mulher dorme profundamente, a luz do celular acende. É o aviso de que chegou uma mensagem. Ela não acorda, mas mesmo assim, começa a digitar.

Já um homem, foi dormir estressado. O celular vibra e é uma mensagem oferecendo produtos com descontos. Dormindo, ele faz compras em uma loja virtual, que tem os dados do seu cartão de crédito armazenados.

Estas duas situações foram gravadas com atores, mas baseadas em fatos reais!

“Sleep Texting”: o novo distúrbio do sono

Por mais absurdo que isso possa parecer, enviar mensagens de texto, e-mails, fazer compras pelo celular dormindo, são atitudes comuns de quem sofre do mais novo distúrbio do sono: o “Sleep Texting”, uma espécie de sonambulismo digital.

Os mais afetados são os jovens, como o Cristian, estudante de 23 anos. Ele passa o dia com os olhos e dedos grudados no celular, teclando o tempo todo. À noite, não consegue se distanciar do aparelho. Dorme com ele embaixo do travesseiro. Até que um dia, três anos atrás, teve o primeiro episódio de sonambulismo digital.

“Um amigo me ligou de manhã dizendo: ‘o que é isso? Me mandando mensagem três horas da manhã?’ Eu disse que não me lembrava, mas fui checar e realmente isso tinha acontecido. Eu tinha enviado uma mensagem para ele completamente sem sentido. Fiquei muito envergonhado”, conta o estudante Christian Good.

Fantástico: E isso aconteceu outras vezes?

Christian Good, estudante: Umas três, quatro vezes e sempre com a última pessoa com quem troquei mensagem na noite anterior.

Com o Derek, de 19 anos, a vergonha foi ainda maior! Ele tem um canal de entrevistas na internet, onde conversa com celebridades da TV americana.

E foi justamente com uma delas, que o "sonambulismo digital", o deixou na maior saia justa!

Ele conta que teria uma entrevista no dia seguinte com uma pessoa famosa e enviou uma mensagem para ela dizendo: ‘Ok. Vejo você amanhã’. Mas no meio da noite ele enviou, dormindo uma outra mensagem, que ele só viu no dia seguinte, e que dizia: “Te amo muito”.

“A pessoa me respondeu: ‘o que?’. Eu fiquei vermelho como um tomate”, conta o estudante Derek Zagami.

Fantástico: Quem é a celebridade?

Derek: Não posso contar.

"Sonâmbulos digitais" trocam experiências nas redes sociais

Nas redes sociais, os "sonâmbulos digitais” trocam fotos e experiências sobre o assunto. Várias universidades nos Estados Unidos estão estudando esse "estranho" distúrbio.

A doutora Rachel Salas, neurologista do Hospital Johns Hopkins, explica que, quando se dorme com o celular ligado, o barulho avisando que chegou mensagem, as luzes do aparelho que algumas vezes acendem, atrapalham a qualidade do sono de qualquer pessoa. Mas quem já tem uma predisposição genética para o sonambulismo ou outros tipos de tipo de distúrbio, como apneia, a parada respiratória durante o sono por exemplo, as chances de desenvolver o sonambulismo digital, são bem maiores.

O tratamento é fácil: desligar o celular durante a noite.

Christian: Mas e se eu tiver uma emergência?

Já o Derek, diz que ficaria apavorado!

“É um hábito, eu tenho que estar sempre disponível”, disse Christian.

O engraçado é que o Christian responde olhando para o celular.

Christian: É porque eu me sinto mal quando você fala assim. Eu não quero nem que ele ouça.

Renata Ceribelli: Você parece nervoso só de pensar nisso?

Christian: Sim.

Renata Ceribelli: Mas por que?

Christian: Eu não sei! Essa é a questão!

Neurologista americana alerta para necessidade de uma avaliação médica

O conselho da doutora Rachel é: faça uma avaliação médica para ver se realmente o seu sonambulismo digital não é consequência de algo mais sério. Não durma com o celular ligado.

E por precaução, coloque senha no seu aparelho. Pode ser um bom obstáculo se você dormindo, decidir digitar.


Fonte:http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/04/universidades-estudam-disturbio-de-enviar-mensagens-dormindo.html