O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Ingestão de medicamentos que não exigem prescrição médica pode até matar


Anti-inflamatório para um incômodo no pé; analgésico contra a dor de cabeça; antialérgico que afaste a rinite; antitérmico em busca do fim da febre. É fato: milhares de pessoas mundo afora recorrem a medicamentos sem orientação e receita médica. Muitos remédios oferecidos em farmácias, principalmente os que têm maior procura, não necessitam de prescrição e são comercializados à vontade. São os chamados medicamentos isentos de prescrição (MIPs), ou OTCs, na sigla em inglês para over the counter (sobre o balcão). Ocorre que muitas dessas substâncias curam doenças, mas também podem causar problemas à saúde. Um detalhe desconhecido pela maioria dos consumidores.

Lesões hepáticas ou gastrointestinais estão entre os efeitos da superdosagem ou da ingestão excessiva dessas substâncias. Segundo a Organização Mundial da Saúde, os MIPs são os aprovados pelas autoridades sanitárias para tratar sintomas e males menores, disponíveis sem prescrição ou receita médica, devido à segurança e eficácia, desde que utilizados conforme as orientações disponíveis nas bulas e rotulagens. Esses medicamentos podem ser produzidos, distribuídos e vendidos para combater sintomas e algumas moléstias facilmente identificáveis por leigos.

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), eles devem ter relação favorável entre benefícios e risco; ser eficazes e seguros; ter incidência de efeitos colaterais bem caracterizados; e não devem apresentar problemas de interação medicamentosa, ou seja, não podem afetar a absorção e o metabolismo com o uso de outros medicamentos; além de não mascarar sintomas que possam impedir o diagnóstico e o tratamento adequado. A propaganda, porém, tem veiculação liberada para o público em geral.

 

Fonte:http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2014/04/28/internas_cienciaesaude,501198/ingestao-de-medicamentos-que-nao-exigem-prescricao-medica-pode-ate-matar.shtml