O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Estudo relaciona riscos de distúrbios psiquiátricos a paternidade tardia


Filhos de pais acima dos 45 anos têm três vezes mais chance de ter autismo e o dobro de risco de um transtorno psicótico

Um novo estudo diz que os homens também podem ter de se preocupar com a idade de virar pais. Pesquisadores da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, e do Instituto Karolinska, na Suécia, investigaram 2,6 milhões de pessoas de várias partes do mundo e descobriram relação entre pais mais velhos e maiores riscos de distúrbios mentais e transtornos de aprendizagem.

Em comparação com filhos de pais de 20 a 24 anos, os de homens acima dos 45 têm três vezes mais chance de ser autista, têm o dobro de risco de ter distúrbio psicótico, são 25 vezes mais propensos a ter transtorno bipolar e 2,5 vezes mais propensos a ter comportamentos suicidas e problemas com drogas.

Crianças nascidas de pais mais velhos têm ainda mais dificuldades acadêmicas. São 59% mais propensos a ter notas baixas e 70% mais propensos a abandonar a escola. Os dados foram publicados nesta quarta-feira (26) no periódico Jama Psychiatry.

Em entrevista à BBC News, um dos autores da pesquisa, Brian D'Onofrio, disse que ficou surpreso com as descobertas e que os riscos são bem maiores do que os estimados anteriormente. “O estudo se soma a um conjunto crescente de pesquisas que sugere a famílias, médicos e à sociedade como um todo considerar os prós e os contras de adiar a gravidez.”

O urologista Harry Fisch, da Universidade Presbiteriana de Nova York, disse à rede NBC News que há mais de uma geração já se sabe que a idade do pai tem impacto no desenvolvimento dos bebês. "Por exemplo, o nanismo é mais comum em crianças com pais mais velhos." Segundo ele, foi apenas nos últimos anos que começaram a ser investigados os efeitos da idade paterna em transtornos psiquiátricos graves, como a esquizofrenia. “O que pensávamos ser um problema feminino agora sabemos que também é masculino”, afirmou.


Fonte:http://epoca.globo.com/vida/vida-util/saude-e-bem-estar/noticia/2014/02/estudo-relaciona-riscos-de-disturbios-psiquiatricos-bpaternidade-tardiab.html