O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Série “Higiene: hábitos para conservar a saúde!” – (Convívio Público)

Pode parecer bobagem, ou, coisa assim – mas os hábitos higiênicos são importantíssimos para a construção e manutenção das relações sociais


Os hábitos de higiene precisam ser doutrinados desde criança. Assim, relações de amizade podem surgir desde muito cedo

Nosso corpo e nosso espírito exigem muitos cuidados para serem conservados e considerados como saudáveis. A saúde – como já foi dito antes em outros episódios desta série – está inerentemente ligada aos atentos com nossa higiene – seja pessoal ou coletiva. Neste caso, o processo de coletividade é ainda mais dependente da nossa forma de se cuidar. 

O asseio com o corpo, ou a falta dele, demonstra o grau de compromisso que o indivíduo tem consigo mesmo – em manter-se bem físico e mentalmente falando. 

Afinal de contas, uma pessoa asseada costuma ser mais aceita pelas demais do seu grupo social, onde a autoestima habitua a se elevar. Sem higiene pessoal e mental, as melhores vestes e acessórios não terão valor algum na composição de sua imagem. 

A limpeza e higiene do corpo são fundamentais para a saúde e o bom convívio social e se traduzem em hábitos como, banhos diários, no uso de roupas limpas, nos cuidados com as unhas e cabelos – enfim, na manutenção de condições sadias de vida. 

Além disso, a higiene – enquanto fator determinante a convivência pública – facilita até mesmo na hora de amizades serem criadas. Um bom exemplo é quando membros de uma comunidade se reúnem para construir uma fossa artesanal, para fazer a limpeza de um terreno baldio, para realizarem campanhas de combate ao acúmulo de lixo no bairro. Se estimulados desde muito cedo, ainda na infância, esses hábitos facilitam muito mais a coexistência entre as pessoas.

A sanidade coletiva são normas e condutas adotadas pela sociedade a fim de manter o convívio social saudável a todos. Tendo como objetivo evitar a transmissão de doenças, por exemplo, e assim facilitar as relações em lugares comuns. 

Pensar em si como um ser higienicamente asseado – seja graças a sua aparência física, ou referente ao ambiente que lhe cerca, ou até mesmo uma mente mais limpa de problemas – é de certa forma ponderar também sobre seu convívio público.