O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Pela Dra. Lillian Cordeiro – Envelhecimento Saudável – Mitos e verdades sobre o diabetes!

Na coluna, de hoje, da Coordenadora Médica do FiqBem, Dra. Lillian Cordeiro ela vai falar sobre o que é verdade ou mentira sobre a doença.


Dra. Lillian Cordeiro é formada pela UFPE em medicina 2002, com residência médica em clínica médica pelo HC-UFPE 2004 e em endocrinologia pelo Hospital Agamenon Magalhães 2006. Especialista em Endocrinologia pela SBEM 2007. Com experiência em direção médica do Hospital São Marcos 2010-2013. Atual coordenadora médica do programa FiqBem da Interne Soluções em Saúde.

  

Diabetes: Mitos e Verdades!


Ela é uma doença crônica, de causa multifatorial, cujo fator genético desempenha papel importante juntamente com o fator ambiental. É uma enfermidade que pode se manifestar em qualquer idade, porém o tem uma maior prevalência após os 40 anos de idade.

O Diabetes Tipo 1 é o que ocorre geralmente na infância e adolescência e tende a se manifestar com sintomas exuberantes como perda de peso, sede demasiada e aumento da diurese. Já o Tipo 2 é mais comum que o primeiro, tende a se manifestar em pacientes mais idosos, especialmente entre os obesos. O Diabetes tipo 2 por não apresentar sintomas inicias tão marcantes pode levar a  um retardo no diagnóstico de até 5-7 anos.

O Diabetes é uma doença que requer atendimento médico regular e mudança de estilo de vida.  O tratamento consiste em dieta equilibrada, medicamentos e atividades físicas regulares. A adesão a esses três pilares é fundamental para um bom controle dos níveis glicêmicos.


Saiba algumas mentiras e verdades sobre esta enfermidade:


MITO:

O diabetes ser emocional.

VERDADE:

É uma doença genética e de fator ambiental. Dieta, falta de atividades físicas, sobrepeso também desempenham papel importante.


MITO:
Controlar a doença com chás e uso de ervas.

VERDADE:

Deve ser tratado com dieta (todos os casos); medicações orais (maioria dos casos); insulina (casos selecionados).


MITO:

Se for diabético seus filhos também serão necessariamente.

VERDADE:

Os filhos de pais diabéticos têm mais chance de desenvolver a doença, mas não necessariamente a desenvolverão.  Os fatores ambientais serão decisivos em quais irão apresentá-lo.


MITO:

Todo diabético tem problema na cicatrização de feridas.

VERDADE:

Os diabéticos que apresentam problemas na cicatrização são aqueles com muito tempo de doença e que já evoluíram com complicações circulatórias, especialmente nos membros inferiores.


MITO:

Todo diabético no final da vida apresenta alguma amputação (pés e pernas).

VERDADE:

O diabetes é a principal causa de amputação não-traumática no nosso país. Os pacientes de maior risco são os que têm muitos anos de Diabetes, fumam e apresentam descompensação da doença.


MITO:

A insulina leva o paciente para hemodiálise. 

VERDADE:

A insulina é um tratamento importante para diabéticos que não respondem mais às medicações orais. O que causa hemodiálise é a falta de controle glicêmico durante anos.


MITO:

Ficar diabético porque comeu muito açúcar. 

VERDADE:

O diabetes é genético e não é causada pela dieta rica em açúcar. O papel maléfico do açúcar é o ganho de peso.


MITO:

Todo paciente diabético enxerga mal. 

VERDADE:

O diabetes descontrolado prejudica a visão com o passar dos anos. Consultas com oftalmologista são recomendadas anualmente, mesmo sem sintomas.


MITO:

As medicações para diabetes são muito fortes, perigosas. 

VERDADE:

Toda medicação pode causar efeitos colaterais. As medicações se tomadas nos horários e doses prescritas pelo médico apresentam baixo risco de efeitos indesejáveis.


MITO:

Só tem diabetes quem tem muita sede e urina muito. 

VERDADE:

Muita sede, aumento da diurese e perda de peso só acontecem quando os níveis de glicose estão muito altos (> 300). A pessoa pode ser diabética e não apresentar nenhum desses sintomas.


MITO:
A Insulina mata mais rápido o paciente. 

VERDADE:

A insulina é um excelente tratamento para o diabetes. O que mata são as complicações crônicas, como: Infarto, AVC, Insuficiência renal.


CONCLUSÃO 

1)     O Diabetes é uma doença de caráter crônico, que requer tratamento regular e acompanhamento médico periódico;

2)     Consiste em uma enfermidade que cursa com muitas complicações crônicas, especialmente nos pacientes com pobre controle glicêmico;

3)     O paciente bem controlado pode ter uma vida bastante saudável e ativa, como qualquer indivíduo sem a doença.