O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Muito mais que uma simples indolência do corpo, seu problema pode ser narcolepsia!

Caracterizada por ataques irresistíveis de sono, mesmo que a pessoa tenha dormido normalmente na noite anterior e, em geral, acompanhada por outros distúrbios do dormir – este tipo de transtorno do sono é muito confundido com lapsos de preguiça.

 

No meio do dia você se pega sonolento, mesmo depois de ter tido uma noite tranquila de sono. Isso só pode ser um sinal de preguiça, não acha? Se você respondeu que sim, saibas que podes está enganado. Isso pode ser um sinal de algum distúrbio do sono – mais especificamente um caso de narcolepsia. 

Nesta terceira matéria da série “Distúrbios do sono: difícil adormecer ou permanecer dormindo” – da Interne Soluções em Saúde – vamos conhecer um pouco deste problema, que na maioria dos casos a sonolência é confundida pelo próprio paciente como uma situação normal, o que leva a uma dificuldade no reconhecimento dessa condição. 

É importante destacar que os pacientes com narcolepsia costumam sofrer preconceitos com o estigma de que são pessoas preguiçosas. A melhor maneira de evitar esta realidade é através da informação, que possibilita condicionado o diagnóstico do distúrbio e consequentemente seu tratamento adequado. 

Narcolepsia é um distúrbio do sono caracterizado por sonolência excessiva durante o dia, mesmo quando a pessoa dormiu bem à noite. Os ataques de sono podem ocorrer a qualquer momento e nas mais inusitadas situações, como: em pé dentro de um ônibus, durante uma consulta médica, dirigindo um automóvel, ou até mesmo, operando algum tipo de máquina. Os portadores deste problema saltam a etapa do sono de ondas lentas e entram direto, subitamente, na de sono REM. 

Fatores genéticos estão envolvidos na narcolepsia, que é causada por alteração no equilíbrio existente entre algumas substâncias químicas (neurotransmissores) do cérebro, responsáveis pelo aparecimento do sono REM em horas inadequadas. Em geral, este distúrbio está associado a um alelo ligado ao complexo maior de histocompatibilidade, ou seja, a uma proteína relacionada com a sonolência excessiva durante o dia. 

A cataplexia, isto é, a perda súbita e reversível da força muscular durante a vigília, é o único sintoma exclusivo da narcolepsia. Os outros são: sonolência diurna excessiva, anormalidades do sono REM, paralisia muscular e alucinações hipnagógicas. 

Através de um exame de Polissonografia – análise, esta que a Interne realiza através do DurmaBem – e o Teste de Latências Múltiplas ajudam a estabelecer o diagnóstico da narcolepsia, que é diferencial, porque considera as características de outros distúrbios do sono, como a apneia e a insônia, por exemplo. 

A pessoa com narcolepsia pode apresentar vários episódios de sono irresistível durante o dia. Se tiver a oportunidade de tirar um cochilo quando isso acontecer, provavelmente acordará mais disposta, porque esses cochilos costumam ser reparadores. 

Os tratamentos da sonolência excessiva e da cataplexia são diferentes, mas os remédios indicados para um caso podem melhorar também o outro. 

Não há como prevenir de modo integral a narcolepsia, mas algumas medidas podem aliviar a sonolência durante o dia:


- Fazer exercícios físicos regularmente;

- Evitar o consumo de cafeína durante a tarde e à noite;

- Evitar bebidas alcoólicas, sedativos e drogas que possam promover o sono, como anti-histamínicos, neurolépticos e outros;

- Tirar cochilos planejados durante o dia;

- Adotar hábitos regulares de dormir;

- Comer refeições leves e com intervalos regulares.



Fontes de pesquisas:  http://www.fundasono.org.br

                                         www.sono.org.br

 

INTERNE