O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Pesadelos recorrentes pode ser um sinal que a saúde do seu sono anda um tanto debilitada!

Os sonhos assustadores ou as interrupções do sono resultantes dos despertares causam sofrimento significativo ao indivíduo ou acarretam disfunção social ou ocupacional. Estão normalmente relacionados à qualidade de vida de cada indivíduo.


Provavelmente todo mundo já teve pelo menos um pesadelo na vida. Digamos que isso é uma das coisas mais natural que existe. Mas quando o pesadelo passa do simples aborrecimento ocasional para o terror de quase todas as noites? 

Pois bem, isso pode ser um transtorno de pesadelo. Pessoas com este tipo de transtorno acordam frequentemente em um suor frio, com memórias vivas de sonhos horríveis, podendo até temer o sono. Entretanto, o estresse e a privação do sono são as principais causas de pesadelos, assim como alguns medicamentos. Em casos graves, aconselhamento ou sedativos podem ser necessários para aliviar a ansiedade subjacente aos sonhos ruins. 

Nesta quinta matéria da série “Distúrbios do sono: difícil adormecer ou permanecer dormindo” – da Interne Soluções em Saúde – vamos entender um pouco desta relação que faz do pesadelo um distúrbio do sono. 

Pesadelos são descritos como sonhos assustadores, com orientação e alerta imediatos ao despertar, envolvimento de ameaça à sobrevivência ou à segurança, e resultando no despertar abrupto durante o sono. 

Nosso sono varia em fases e ciclos, sendo que o profundo (NREM — Movimento Não Rápido dos Olhos) contém quatro estágios, que ocupam cerca de 75% da noite de sono. Os outros 25% ficam por conta da fase REM (Movimento Rápido dos Olhos), aquela em que os sonhos acontecem, sendo que a atividade cerebral é intensa e semelhante ao estado de vigília. Essas duas fases acontecem em ciclos, sendo que, em uma noite de sono de uma pessoa jovem, eles acontecem por cerca de cinco a seis vezes. 

Entretanto, o que deveria ser relaxante pode ser muito estressante para muitas pessoas, que sofrem com distúrbios durante essas fases. Um deles é o transtorno do pesadelo, que vai muito além de um incômodo ocasional. Muitos indivíduos são acometidas por essa desordem todas as noites com pesadelos terríveis e recorrentes. 

Semelhante a um filme de terror, daqueles que o personagem principal é um vilão que invade os sonhos das pessoas, muita gente passa a ter medo de dormir. Esse transtorno do pesadelo faz com que as pessoas acordem frequentemente suando frio e com a sensação de realidade de seus sonhos estressantes. 

O pesadelo é um distúrbio do sono e àquelas pessoas que convivem com esse tipo de problema devem procurar um tratamento e fazer uma avaliação. O sono é plenamente tratável e nós temos que entender o que está atrapalhando o seu sossego. 

Na falta de um tratamento adequado, a saída é aderir um ritual – onde o indivíduo pode programar sempre a mesma hora para se alimentar e para dormir, embora reconheça que é muito difícil. 

Para os que pensam que dormindo normalmente oito horas por dia está livre de pesadelos está enganado, segundo especialistas, essas pessoas também têm pesadelo, mas somente no outro dia é que vai se lembrar que houve algum sonho no correr da noite que não foi satisfatório. 

Alimentar-se imediatamente antes de ir dormir, o que aumenta o metabolismo do corpo e a atividade cerebral, pode provocar a ocorrência de pesadelos com mais frequência.


Causas comuns:


- Doença com febre;

- Morte de um ente querido (distúrbio de estresse pós-traumático);

- Ansiedade ou estresse;

- Reação adversa a, ou efeito colateral de, um medicamento;

- Suspensão recente de ingestão de uma droga, como pílulas para dormir;

- Efeito do álcool ou consumo de álcool excessivo;

- Abstinência alcoólica abrupta.


Este problema pode ter outras causas. A lista não menciona todas elas, nem as cita em ordem de probabilidade. As causas deste sintoma podem incluir doenças pouco comuns e medicamentos. Além disso, as causas variam conforme a idade e sexo da pessoa afetada e os seguintes aspectos específicos dos sintomas: localização, características, evolução, fatores agravantes, fatores atenuantes e queixas associadas.

Sempre o mais aconselhável é buscar o apoio de um especialista para entender e tratar o problema.



Fontes de pesquisa: http://www.disturbiosdosono.net/

                                      http://www.fundasono.org.br

                                      www.sono.org.br


INTERNE