O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Ronco frequente pode ser algo sério e precisa ser investigado!

Este problema tido como social, pode estar relacionado à apneia – que é um fator de risco para doenças cardiovasculares e até Alzheimer ou perda de memória.

Aquele barulho produzido pelo seu parceiro quando está dormindo e não te deixa pregar os olhos pode não ser um mal apenas ao casamento, mas também à saúde de quem o emite.  Isso porque o ronco pode ser indício de apneia – pausa respiratória que ocorre durante o sono. E é aí que mora o perigo.

Segundo especialistas, o ronco é considerado apenas como uma doença social. Já a apneia é um fator de risco para doenças cardiovasculares e até Alzheimer ou perda de memória. Mas é importante lembrar que nem todo roncador sofre de apneia. 

O ronco ocorre quando a via aérea está estreitada; já na apneia ela está totalmente fechada. Há uma má oxigenação do cérebro, que aumenta os riscos de infarto, AVC (Acidente Vascular Cerebral). Anos e anos de apneia também podem levar à perda de memória e ao Alzheimer. 

Existem dois tipos de apneia do sono, a Central – causada por uma disfunção do sistema nervoso central, e que é mais rara – e a Obstrutiva – mais comum e que pode ter uma das causas na obesidade, por exemplo. 

Alguns sinais são típicos deste tipo de síndrome – roncos, paradas visíveis da respiração durante o sono e sonolência excessiva durante o dia. Outros sintomas podem estar presentes como:

 

- acordar com sensação de sufocamento;

- despertar frequente durante a noite;

- refluxo gastroesofágico;

- boca seca ao acordar;

- sono não reparador, o que provoca a sensação de fadiga diurna;

- perda progressiva da memória e dificuldade de concentração;

- sudorese noturna;

- diminuição da libido;

- impotência sexual;

- dor de cabeça matutina;

- depressão;

- irritabilidade;

 

O exame que determina a doença é chamado de polissonografia, que consiste no registro de diversos parâmetros fisiológicos durante o sono – atividades cerebral e muscular, movimentos oculares, respiração, teor de oxigênio, eletrocardiograma, registro de ronco e posição corporal, entre outros. 

O que vem sendo percebido pela classe médica é que a apneia do sono já pode ser considerada um problema de saúde pública, pois é uma doença frequente e com alta taxa de mortalidade, devido ao aumento do risco de hipertensão arterial (pressão alta), acidente vascular cerebral (AVC), infarto do miocárdio, acidentes de trânsito (em razão da sonolência excessiva provocada pelas noites mal dormidas), entre outros problemas. 

Outra doença que pode vir associada à apneia é a obesidade, já que a qualidade do sono é fator determinante tanto para o stress quanto para a depressão, já que pessoas que não dormem bem não conseguem se exercitar. Logo, ficam obesas com mais facilidade. 

Portanto, seus roncos frequentes precisam ser investigados – por isso deve-se procurar um especialista e investigar as causas deste problema.


 

Fontes de pesquisas: http://www.fundasono.org.br

                                        www.sono.org.br

 

INTERNE