O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Estresse do trabalho pode trazer problemas sérios para a saúde do funcionário

A doença costuma agir de forma discreta e silenciosa, atacando em áreas onde um trabalhador já apresenta alguma sensibilidade, o que dificulta seu diagnóstico de imediato.

Dando continuidade, na matéria de hoje da série “Nosso corpo: um lar de saúde que precisa de cuidados!” – da Interne Soluções em Saúde, vamos falar sobre os problemas que o aumento do estresse no ambiente de trabalho pode trazer para a saúde do trabalhador.

O estresse costuma afetar os colaboradores em regiões do organismo em que o mesmo já apresenta alguma sensibilidade. Se ele tiver um problema no estômago, por exemplo, a pessoa poderá desenvolver uma gastrite, uma úlcera e assim por diante.

Este tipo de problema – considerada “Mal do século” – é inevitável para quem vive em um mundo tão acelerado. Nas empresas, as pessoas apresentam constantes dores de cabeça, gastrites e outros problemas.

Para minimizar os fatores estressantes é preciso que se parta do principio de organização do próprio funcionário e da empresa. Mantenha suas atividades em dia e se puder concluir um relatório antes da data prevista, faça-o. Não deixe tudo para a última hora, pois imprevistos podem ocorrer. Fazendo isso, você evita passar por situações de tensões, onde o trabalho acumulado esteja – além de tudo, atrasado.

Como nem todos os profissionais são iguais, o corpo pode ser o principal meio de identificar se os resultados exigidos pelas companhias, bem como as cobranças, metas e o corre-corre do dia a dia estão impactando negativamente a saúde de um indivíduo.

Por isso, avalie bem: se seu organismo começar a falhar ou algumas dores de cabeça surgirem, é bom observar; talvez o estresse tenha pego você. Outros sintomas de alerta são ainda o cansaço, a falta de atenção, a irritabilidade, a depressão e a perda ou excesso de apetite.

As reações acontecem quando as demandas são maiores do que o sujeito suporta. Cada indivíduo possui um limiar, por isto a importância da organização e do funcionário se conhecer bem – tal qual a empresa.

Quando você chega à empresa e está com algum problema pessoal, isso não lhe dá o direito de "descarregar" sua tensão no primeiro colega de trabalho que passa pela sua frente. Lógico que é impossível nos desligarmos completamente daquilo que nos espera fora dos portões da instituição, mas evite conflitos. Se você não está muito bem para conversar, respire fundo, escute uma música suave, faça algo que o ajude a relaxar. O clima organizacional ficará muito grato e sua pressão arterial também.

As ações de redução do estresse não são secretas. Melhores condições de ambiente de trabalho, responsabilidades mais adequadas, maior liberdade para agir e até mesmo elogios pelo trabalho bem feito ajudam a reduzir o estresse. Para o funcionário, saber que o que ele está fazendo será verificado, utilizado e fará alguma diferença ajuda a aumentar a autoestima e reduzir o estresse. Fatores como a autoconfiança e não se sentir constantemente pressionado contribuem para o bem-estar.

Conversas com os funcionários sobre os problemas e definição de responsabilidades diminuem as divergências entre as demandas do mercado e as capacidades dos funcionários.  E, fora do ambiente de trabalho, o incentivo a hobbies também são muito importantes por fornecerem distrações e darem a sensação de prazer.


Fonte de pesquisa: www.abennacional.org.br

                            http://www.abqv.com.br


INTERNE