O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Dormir menos de seis horas por noite aumenta o risco de morte

Os efeitos da falta de sono são ainda piores na adolescência, etapa da vida em que o organismo está em pleno desenvolvimento

Dormir frequentemente menos de seis horas por noite libera hormônios que aumentam os níveis de stress, acelera o ritmo cardíaco e aumenta a pressão sanguínea, desencadeando uma série de problemas de saúde (Thinkstock/VEJA).

Dormir menos de seis horas por noite aumenta o risco de morte prematura em 12%. É o que dizem os especialistas do Conselho Britânico do Sono. O hábito libera hormônios que estimulam os níveis de stress, aceleram o ritmo cardíaco e aumentam a pressão sanguínea. Tais fatores podem provocar uma série de problemas de saúde, como diabetes e problemas cardíacos.

Os efeitos da falta de sono são ainda piores na adolescência, etapa da vida em que o organismo está em pleno desenvolvimento. O sono de má qualidade deixa as funções cerebrais mais lentas, o que, no caso de um adolescente, pode afetar o aprendizado e comprometer o desenvolvimento físico. Uma boa noite de repouso é importante, por exemplo, para síntese de GH, o hormônio do crescimento.

Estudos anteriores já haviam comprovado que uma hora de sono a menos por noite dobra o risco de obesidade. Isso porque durante o repouso noturno, sobretudo nas fases mais profunda do sono, ocorre a síntese de uma série de hormônios associados ao controle do peso.



Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/dormir-menos-de-seis-horas-por-noite-aumenta-o-risco-de-morte



.