O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

INTERNE ALERTA: Câncer de Pulmão




A neoplasia retratada hoje na série especial da “Interne Alerta” é a mais comum entre todos os tumores malignos registrados no planeta. Apresentando um aumento de 2% em sua incidência a cada ano, o Câncer de Pulmão apontou, em última estimativa, cerca de 1,82 milhão de caso, sendo 1,24 milhão em homens e 583 mil em mulheres.

É uma doença altamente letal com média de sobrevida de 13% a 21% em países desenvolvidos, e 7% a 10% em países subdesenvolvidos. No Brasil, o INCA estima que 28.220 novos casos foram registrados em 2016.

Em 90% dos casos, este tipo de câncer está associado com o tabagismo. Portanto, não consumir de derivados do tabaco é o primeiro e mais indicado método de prevenção. Comparados com os não-fumantes, os tabagistas têm 20 a 30 vezes mais risco de desenvolver a doença.

Manter o alto consumo de furtas e verduras é recomendado, evitando a exposição a agentes químicos (arsênio, cromo, radônio e etc.), encontrados, geralmente, em ambientes ocupacionais. A exposição a poluição do ar, causando infecções pulmonares de repetição, deficiência ou excesso da vitamina A, também são considerados fatores de risco. O histórico familiar desse tipo de doença também pode ser levado em consideração.

Para o câncer de pulmão, os sintomas mais comuns são tosses e sangramentos nas vias respiratórias. Nos fumantes, o ritmo habitual da tosse é alterado, e aparecem crises incomuns. Pneumonia de repetição também pode ser a fase inicial da doença.

Mesmo assim, a maneira mais fácil de diagnosticar a doença é através de um raio-x do tórax auxiliado por uma tomografia computadorizada. A broncoscopia deve ser realizada para avaliar a chamada árvore traqueobrônquica e eventualmente permitir biópsia.

Uma vez confirmada a doença, é feito um “estadiamento” para saber o estágio de evolução, ou seja, verificar se as células cancerígenas estão restritas ao pulmão ou já se espalharam para o resto do corpo. Tendo a neoplasia diagnosticada, o acompanhamento minucioso é fundamental.



Fonte: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/inca/portal/home